27/07/2017 A queda de cabelo feminina e as alterações hormonais
A queda de cabelo feminina e as alterações hormonais

Já começamos a falar aqui no Blog Reposit sobre a queda de cabelos feminina. Você já leu a primeira matéria do tema que fala sobre como a carência nutricional interfere na vitalidade dos fios? Para seguir esse assunto, vamos falar agora da segunda maior causa da queda: as alterações hormonais.

Sabemos que toda e qualquer alteração sofrida nos cabelos e couro cabeludo acaba influenciando a autoestima e personalidade de uma pessoa. O organismo feminino passa por diversas fases e é normal que ocorram alterações hormonais, mas infelizmente a queda de fios de cabelos é uma das consequências disso. Algumas dessas alterações são passageiras, outras precisam de acompanhamento médico e medicação apropriada. Vamos ver agora quais são as principais alterações hormonais que causam a queda de cabelo e como melhorar esse quadro.

A partir dos 30 anos, a queda nos níveis de alguns hormônios pode acarretar a perda de cabelo. A diminuição de estrógenos, progesterona e hormônio do crescimento pode acelerar esta queda. O hormônio do crescimento é diretamente ligado ao estilo de vida. Pessoas com excesso de peso, sedentárias, fumantes, pessoas que ingerem grandes quantidades de carboidratos refinados e que dormem mal, possivelmente terão níveis mais baixo deste hormônio. Portanto, o estilo de vida e alimentação estão intimamente ligados com a vitalidade do seu cabelo.

Em outros casos, algumas mulheres podem perceber maior queda de cabelo durante o período menstrual. Isso pode acontecer devido as flutuações hormonais típicas desse período ou também pela perda de sangue. Nesse último caso, a queda é devida a deficiência de ferro no organismo, um mineral fundamental para o crescimento dos fios. Quando a queda de cabelo no período menstrual for branda, ela pode ser revertida pela suplementação de minerais e vitaminas. Nos casos mais severos, é importante avaliar se os níveis hormonais estão dentro do esperado. Caso você perceba irregularidade no seu ciclo menstrual, isso pode ser um indicativo de síndrome dos ovários policísticos ou alguma disfunção na sua tireoide.

A irregularidade no ciclo é um dos sintomas mais comuns da síndrome dos ovários policísticos, um distúrbio endócrino que causa perda de cabelo. Uma das características dessa síndrome é a produção elevada de hormônios androgênicos, onde alguns desses são associados à alopecia androgenética (causa de calvície) e favorecem a queda. Se você suspeita desse quadro, é importante que procure por um médico ginecologista. Com isso, a síndrome pode ser diagnosticada e a queda dos cabelos resolvida.

Já no caso das disfunções na tireoide, a queda ocorre porque essa glândula influencia no ciclo de crescimento do cabelo. A queda capilar é uma complicação muito comum em quem tem baixa produção dos hormônios tireoidianos, que também causa o crescimento lento dos cabelos, com fios finos e secos. Enquanto o hipotireoidismo não é diagnosticado e tratado, a absorção de nutrientes pelo organismo fica reduzida, o que aumenta ainda mais os problemas capilares. Para melhora desse quadro, é necessário que seja feito o diagnóstico e os hormônios sejam repostos no organismo.

Nesses dois casos, após a regularização hormonal medicamentosa, o uso de vitaminas adequadas que fornecem nutrientes ideais aos cabelos, para que estes cresçam fortes, saudáveis e com mais brilho, tem um efeito bastante representativo.

Outra situação que muda o aspecto dos cabelos é a gravidez e o parto. Na maioria dos casos, a gravidez faz muito bem para o cabelo. Mas algumas mulheres observam o efeito contrário, perdendo mais cabelo durante a gravidez. Isso pode ser tanto uma reação do organismo às mudanças geradas pela gravidez (disfunções na tireoide ou diabetes gestacional) quanto a manifestação de alguma deficiência nutricional. Nesse caso, procure informar seu médico sobre a queda de cabelo e siga suas orientações no tratamento de alguma doença ou na suplementação da sua alimentação. Porém, o mais comum é ter queda de cabelo 6 meses após o nascimento do bebê. Trata-se de uma reação normal do corpo à flutuação hormonal associada à gravidez, que tende a se resolver normalmente depois deste período. A amamentação não tem nenhuma relação com a queda dos fios, mas como a produção de leite exige vários nutrientes do corpo da mãe, é fundamental ter uma alimentação balanceada para evitar qualquer deficiência nutricional, sendo que essa pode interferir no crescimento dos fios.

Como vimos, existem muitas causas hormonais que desencadeiam a queda dos fios. Cabe, portanto, ao médico dermatologista examinar o couro cabeludo em busca de alterações e realizar o exame de tração (puxar tufos de fios) para avaliar se a queda que ocorre é normal do ciclo do cabelo ou se é disfuncional. Caso se perceba uma queda acentuada dos cabelos, é importante investigar a causa e, se necessário, fazer o tratamento recomendado.

É bastante natural que haja queda de cabelo devido às causas hormonais citadas, no entanto, ela pode ser amenizada e revertida com o uso de Reposit. Sendo um suplemento alimentar específico para cabelos e unhas, o Reposit fornece ao organismo tudo que precisa para o melhor desenvolvimento dos fios. Isso porque as vitaminas e minerais combinados nele são essenciais para produção de fios mais resistentes e bonitos. Com o uso diário de Reposit, você verá os resultados e, com isso, poderá voltar a se sentir linda. Apesar das mudanças hormonais que ocorrem no organismo feminino, você tem o Reposit como aliado da sua autoestima. Que boa notícia, né mulheres?!

E continue acompanhando a série de matérias sobre queda de cabelo feminina aqui no Blog Reposit e também nas redes sociais.

Que tal receber as postagens apenas dos assuntos de seu interesse?

Selecione os assuntos e cadastre-se gratuitamente: